sábado, maio 21, 2022
InícioPlanaltinaPonto de Vista - ASFALTO EM PÉSSIMAS CONDIÇÕES

Ponto de Vista – ASFALTO EM PÉSSIMAS CONDIÇÕES

Por incrível que pareça as condições de asfaltos feitos na década de 1980 acham-se em melhores condições do que aqueles feitos na década passada. É lógico que a explicação para tal anormalidade é das mais conhecidas ultimamente, trata-se da corrupção. Nada, mas nada mesmo, foi feito no Brasil nos últimos tempos que não pagasse propina para que fosse realizado, especialmente, quando envolvesse o governo federal. Daí um asfalto nas condições apresentadas à cidade, que hoje deteriora com o chegar do período chuvoso. Enquanto isso o asfalto da DF 128, com mais de trinta anos de uso, recebendo um trânsito concentrado de mais de mil veículos diariamente, em poucos lugares demonstra fragilização de sua capa asfáltica. A construção da DF 128 durou mais de cinco anos para ser concluída. As alegações da época, década de 1980, final da ditadura militar, apontavam para a a burocracia mas, hoje, sabe-se que foram interesses outros existentes dentro do governo do Distrito Federal, uma história que deveremos contar depois, envolvendo o Parque Ecológico de Água Emendadas. Mas, a base do asfalto deste trecho da DF 128, entre as duas Planaltinas, ficou exposta por mais de cinco anos (1976 a 1981) às intempéries de chuva e sol e depois, recebendo esta camada de asfalto que dura até hoje, sem maiores problemas de piso. Se houve, à época, algum benefício a político, certamente ninguém se interessou e até já prescreveu. Agora, o asfalto feito dentro da cidade de Planaltina e noutras cidades de Goiás à época do saudoso prefeito Dr. Dirceu Ferreira de Araújo, (1993 a 1996) e (1997 a 2000) já vieram eivados com a corrupção peemedebista (Íris Rezende) e daí, no governo Dinha, já com a corrupção medebista/petista, que passava para o governo Lula. As empresas construtoras, que eram contratadas pelos governos estaduais, já vinham com a ideia preestabelecida de baratear o custo do asfalto ao máximo para pagar a diferença (propina) para os agentes do governo que iriam sair candidatos nos pleitos seguintes. Uma barganha, moleza para os políticos e um rombo para os cofres públicos que, além de pagar caro a péssima qualidade das obras, adotava um político ladrão, ligado ao conglomerado de empresas empreiteiras nacionais. Está aí, o asfalto que Planaltina exibe em suas ruas: buracos por todos os lados, piso derretido, sem escoamento de águas pluviais e que serviu para manter o governo de Marconi Perillo (PSDB) até 31 de dezembro próximo. Mais um tucano que misturou-se ao petismo via Goiânia/ Anápolis, buscando perpetuar-se no poder e que terminou drasticamente, graças à Operação Lava Jato, engaiolado pelo péssimo histórico apresentado. Aí a nossa herança da corrupção.

 

 

 

RELATED ARTICLES

Deixe uma resposta

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

ANA C M S FIGUEREDO on DESTAQUE SOCIAL – Aninha Macedo –
Rock sem partido on O CARNAVAL FOI LIBERADO?
Terezinha on CORETO ABANDONADO
Terezinha on CORETO ABANDONADO
Edson Campelo de Amiranda on Ponto de Vista É PRECISO POLÍTICOS LOCAIS
Antonio de Pádua on Sobre
Antonio de Pádua on Sobre
Ceiça Nascimento on Sobre
LUCIANA FREITAS on Sobre
Tatiana Mourão on Sobre
admin on Sobre
Evando Meneses on Sobre