sábado, maio 21, 2022
InícioPlanaltinaCONCURSO DO HINO A PLANALTINA GOROU?

CONCURSO DO HINO A PLANALTINA GOROU?

O município de Planaltina data de 1.891, criado dois anos após a Proclamação da República tem história singular, talvez única no mundo, tendo perdido sua sede original (Planaltina-DF) e tendo que construir outra, depois de 1.960, situada na parte restante do município, a Planaltina do Estado de Goiás, que manteve o nome original.

Toda história do município, vinda da antiga sede, assim como o nome (Planaltina), a Comarca, os Cartórios, os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, a bandeira azul e branca, o escudo, tudo foi encorporado à nova sede que tem um passado de lutas nos últimos sessenta anos. “O Hino a Planaltina” senão o mais importante, mas um dos três suportes da identidade municipal ainda não existe e, pelo que está acontecendo com o propósito de se fazer um concurso para criação do Hino, o resultado positivo não vai ser possível.

Foi criado e publicado o Edital do Concurso Público para o Hino do Município por iniciativa do vereador Salvador Pereira de Paula, atual presidente da Câmara, criadas as Comissões de Organização e de Julgamento dos hinos inscritos, assim como definiu-se a premiação de 5 mil reais para o primeiro colocado e outros critérios sobre as inscrições que foram feitas em número de oito músicas até a data prevista. Inscrições encerradas no início de dezembro, o Edital dava o passo a passo do concurso, que previa premiação para o vencedor nas festas natalinas do ano.

A Comissão Organizadora composta pelo vereador Telefonar Nascimento, o Tel; Nil Calaça, secretário executivo da Casa e Gilson Vieira Monteiro, historiador radicado na cidade; definiram a Comissão Julgadora, tendo como membros: Professora Solange Ramalho, a Sol, presidente fundadora da ALBPLGO; ex prefeito Adhemar Alves Borges; Professora Eva Márcia Silva Fontes, ficou como presidente desta Comissão e o músico Jonathan, empresário da cidade.

Quando a Comissão Julgadora se reúne em meados de dezembro para o primeiro julgamento, inicia-se, segundo observador, um desentendimento e o propósitos, ali aprovado, de adiar, postergar o julgamento definitivo dos cinco hinos pré classificados naquela reunião.

Ali já tinham descumprido as determinações do Edital mas, foram para uma segunda reunião dias depois, onde julgariam e classificariam as cinco peças artística que sobraram distribuindo-as em 5o., 4o., 3o., 2o., e 1o. Lugar, Campeão Premiado. Nesta reunião os membros da Comissão Julgadora bateram cabeça, tendo especialmente a Professora Sol Ramalho, a Presidente da Academia de Letras de Planaltina, assumido o papel de crítica contumaz de todos os hinos inscritos, o que levou a Presidente da Comissão Julgadora, Eva Márcia a suspender os trabalhos, depois de várias tentativas de continuar, encerrando o julgamento sem a conclusão prevista: gorou?

O vereador Tel, presidente da Comissão Organizadora, que também é presidente da Comissão Parlamentar de Esporte e Cultura da Câmara de Vereadores já contatou, extra oficialmente, mesmo porque a Câmara está de recesso, um dos parceiros de composição de canções inscritas, dizendo que ” Os hinos inscritos foram todos desclassificados devido não oferecer, nenhum deles, condições de representar o município”, finalizou.

Os compositores planaltinenses, segundo os julgadores, não foram capazes de falar sobre as belezas de Planaltina.

RELATED ARTICLES

2 COMENTÁRIOS

  1. Na verdade me lembro de ja ter havido uma iniciativa para esta escolha,isso faz alguns anos ,porem a politica e as desavenças falam mais alto,e outra devia ter dado a oportunidade aos alunos,com o auxilio de um professor de historia e lingua portuguesa,fazendo um projeto junto as escolas para esta escolha,nos temos otimos alunos pricipalmente alunos do Estado ,q ja tem uma maturidade maior,

    • O modelo de concurso público é o correto e é o que fizeram. Faltou foi conclusão por motivos não explicados.

Deixe uma resposta

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

ANA C M S FIGUEREDO on DESTAQUE SOCIAL – Aninha Macedo –
Rock sem partido on O CARNAVAL FOI LIBERADO?
Terezinha on CORETO ABANDONADO
Terezinha on CORETO ABANDONADO
Edson Campelo de Amiranda on Ponto de Vista É PRECISO POLÍTICOS LOCAIS
Antonio de Pádua on Sobre
Antonio de Pádua on Sobre
Ceiça Nascimento on Sobre
LUCIANA FREITAS on Sobre
Tatiana Mourão on Sobre
admin on Sobre
Evando Meneses on Sobre