domingo, maio 22, 2022
InícioDestaqueGDF monta plano de combate ao caracol-gigante-africano no DF

GDF monta plano de combate ao caracol-gigante-africano no DF

Brasília Ambiental e Diretoria de Vigilância Ambiental estudam ação contra infestação do molusco exótico nas regiões administrativas; animal transmite doenças e é nocivo à agricultura

Adriana Izel, da Agência Brasília | Edição: Claudio Fernandes

Moradora da região do Sol Nascente/Pôr do Sol há 19 anos, a dona de casa Ana Paula Maria da Silva, 40, perdeu as contas de quantos caracóis-gigantes-africanos já recolheu em seu terreno. Ela relata que, há alguns anos, sempre no período chuvoso, precisa lidar com a infestação do molusco.

 

Arte: agência Brasília

“Aqui na minha casa tem caracol para todo lado. Eles aparecem no período de chuva no quintal. Eu e meu marido colocamos uma sacola nas mãos e vamos recolhendo. Mas tenho medo, porque sei que eles transmitem doenças”, afirma.

A situação vivida por Ana Paula tem se tornado comum em algumas regiões administrativas do Distrito Federal onde percebe-se o crescimento da proliferação do molusco. “Esse é um problema antigo. Temos relatos da sua presença em todas as regiões administrativas do DF”, conta o biólogo e analista ambiental do Brasília Ambiental, Thiago Silvestre.

Servidor devidamente protegido recolhe um caracol-gigante-africano: parasita que se hospeda no molusco pode transmitir doenças graves | Fotos: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília

Conhecido cientificamente como Lissachatina fulica, o caracol-gigante-africano é considerado exótico invasor e nocivo às espécies silvestres, ao ambiente, à agricultura e à saúde pública, segundo instrução normativa de 2006 do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Hermafroditas, os animais procriam a cada dois ou três meses com fecundação cruzada, podendo colocar até 400 ovos por postura. No DF, os moluscos costumam se reproduzir principalmente de janeiro até março, quando o período chuvoso é mais intenso. Habitam áreas agrícolas, costeiras, pântanos, florestas, urbanas e zonas ribeirinhas.

Equipe da Vigilância Ambiental chega a uma residência para coletar caracóis-africanos: órgão tem estudado, com o Ibram e a UnB, ações de combate ao animal e de conscientização da população

Entre os riscos causados pelo animal está a transmissão de doenças provenientes de um parasita que se hospeda em caracóis: o Angiostrongylus cantonensis. São elas a meningite eosinofílica, uma inflamação que afeta as meninges, e a angiostrongilíase abdominal, uma inflamação intestinal aguda. Também são considerados uma praga agrícola, custando aos agricultores suas safras.

Plano de ação

“Estamos construindo um protocolo único sobre a questão da coleta e da destinação. Precisamos instruir a população de forma correta” – Thiago Silvestre, biólogo e analista ambiental do Brasília Ambiental

Juntos, Brasília Ambiental, Universidade de Brasília (UnB) e Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival), da Secretaria de Saúde, têm estudado ações de combate ao animal e de conscientização da população. “Estamos construindo um protocolo único sobre a questão da coleta e da destinação. Precisamos instruir a população de forma correta”, explica Silvestre.

A chefe de vigilância do Núcleo de Vigilância Ambiental de Ceilândia, Queila Cristina Barbosa Mendes, diz que o órgão vai se reunir com a administração regional para debater uma ação específica e orientar a população sobre os riscos e em relação ao extermínio. A intenção é iniciá-la ainda este ano. “Realmente, os caracóis africanos estão se proliferando muito rápido e sendo encontrados de maneira bem fácil. Queremos fazer uma ação para ensinar a população e evitar que eles continuem se proliferando da maneira que estão”, afirma.

 

Há uma série de desafios envolvendo os caracóis, desde as características do animal até a forma de extermínio. “Nosso maior desafio foi descobrir como iríamos aniquilá-los, já que o veneno é agressivo ao meio ambiente. Também há o fato de que eles já fazem parte do bioma”, avalia Queila.

Os órgãos sugerem que a população faça o combate dos caracóis para evitar riscos e proliferação. Os animais e seus ovos devem ser recolhidos com as mãos protegidas e exterminados com água sanitária em um recipiente velho. As conchas precisam ser quebradas e depois enterradas na terra, com cal. Confira o passo a passo na arte abaixo.

RELATED ARTICLES

Deixe uma resposta

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

ANA C M S FIGUEREDO on DESTAQUE SOCIAL – Aninha Macedo –
Rock sem partido on O CARNAVAL FOI LIBERADO?
Terezinha on CORETO ABANDONADO
Terezinha on CORETO ABANDONADO
Edson Campelo de Amiranda on Ponto de Vista É PRECISO POLÍTICOS LOCAIS
Antonio de Pádua on Sobre
Antonio de Pádua on Sobre
Ceiça Nascimento on Sobre
LUCIANA FREITAS on Sobre
Tatiana Mourão on Sobre
admin on Sobre
Evando Meneses on Sobre