DE PLANALTINA-GO A COTEGIPE-BA- Parte 1

Saímos de Planaltina ao amanhecer de um domingo rumo Leste, levando o Sol na cara logo após as 6:30h. pela rodovia GO 430 e por ela a cerca de 12 quilômetros alcançamos a GO 118, aí indo rumo Sul por 4 quilômetros pela GO 118 e 430 unificadas e em toda extensão tomadas por plantações de milho de sequeiro me um grande armazém de grãos à direita e área descanpada, um antigo laranjal, à esquerda até chegamos ao trevo do Auto Posto Advance.

No trevo retornamos à direção Leste e cruzamos as nascentes dos córregos Pipiripau (Bandeirinha) à direita e Indaiá à esquerda em meio a terras tomadas por plantações de milho de sequeiro, soja e sorgo.

As margens da GO 118, ainda em Planaltina o milho safrinha secou sob o sol escaldante.

 

Retomamos à direita na direção Sul e adentramos em terras do Distrito Federal quando retomamos a direção Leste. Saímos de Goiás em um asfalto novo e bem cuidado e, estranhamente, entramos no DF em asfalto desgastado, percorrendo nele cerca de dez quilômetros até, nós aproximarmos de uma plantação de eucaliptos, onde retomamos às terras de Goiás com um bom asfalto, passando pelo Posto Policial a Oeste de Formosa e nos adentrando à Formosa, chamada de “dos Couros”, até início do século passado.

Atravessamos a tradicional Formosa no sentido Oeste/Leste pela Av.Emilio Póvoa e, ao chegarmos na saída da cidade para a BR 020, Rodovia Juscelino Kubitschek de Oliveira, o trânsito ficou complicado devido a um grande canteiro de obras que serão em viaduto e assim, em lmeio a escombros e desvios passamos de frente ao parque industrial formosense que também receberá benefícios viários de acesso e facilidade no trânsito para o Setor.

Deixe uma resposta