QUEM APOIAR HADAD PERDE O MUNICÍPIO – Ponto de Vista

Terminada as apurações do primeiro turno das eleições presidenciais e, mesmo sem dados oficiais nas mãos, pode-se dizer que, aqui em Planaltina, Jair Bolsonaro 17 foi o campeão de votos e continuará a influenciar o pleito para mandato suplementar de prefeito na cidade, em eleição que ocorrerá simultaneamente à de Presidente da República.

Os cinco nomes apresentados para as eleições de mandato curto ( 01/01/2019 a 31/12/2020) André Luiz, Eles Reis, João de Abides, João Edson e Vilmar Popular tiveram suas participações (mais ou menos) no trabalho de condução de votos do primeiro turno nacional e agora, aproveitando ou não desse trabalho, irão buscar o apoio popular para comandar a prefeitura naquele período acima mencionado.

O que se pode depreender deste início de campanha nas redes sociais é que  André Luiz (PRB) e Reis (PTC) já se colocaram na frente quanto a postagens. Naturalmente que Reis, que perdeu as eleições passadas para o candidato cassado, Dr. Davi, já tem um grupo de apoiadores mais definido, enquanto o Pastor André, além de administrar a prefeitura, começou agora a organizar-se como candidato. No entanto os dois nomes aparecem nas redes sociais, sendo que Reis, inclusive, já cooptou o vereador Fagundes (PMB), candidato derrotado para deputado estadual.

O Pastor André,evangélico,dificilmente apoiará ao PT (Hadad) para o segundo turno; Eles Reis, que também tem apoio de evangélicos e católicos, certamente terá a mesma dificuldade que André; João de Abides, apesar de evangélico é emedebista de muitas décadas e poderá vestir a camisa petista, buscando os votos de Hadad na cidade; João Edson, o Joãozão é outro nome que, prossista, poderá vestir a camisa vermelha, já que o PROS é aliado do PT a nível nacional; e Vilmar Popular (PPS) tem recebido o apoio espontâneo de José Neto, admirador e defensor das políticas lulistas, mas, contrabalançando, recebeu, mesmo antes do encerramento do primeiro turno das eleições nacionais, o apoio incondicional do Delegado Cristiomário (PSL), que é partidário de Bolsonaro.
O que se pode dizer antecipando é que, o nome de Bolsonaro irá, quando chamado em palanque, ajudar de maneira indiscutível ao candidato a prefeito da cidade, já que seus apoiadores foram muito mais fortes do que os apoiadores de Hadad.

Deixe uma resposta