PLANALTINA DEBAIXO D’ÁGUA

O município de Planaltina – Terra de criança feliz, localizado a pouco mais de 70 quilômetros do Palácio da Alvora, e fazendo divisa com o Distrito Federal pelo lado Norte, sendo o maior doador de terras para a mudança da Capital da República para o Centro do pais está com sua nova sede, vivendo momentos de dificuldades frente ao grande volume de água das chuvas que estão caindo neste início de 2020.

UM POUCO DA HISTÓRIA

Planaltina, o município goiano, depois de definir a localização de sua nova sede em 1958, já que cedera a antiga sede para formação do território do Distrito Federal a partir de 1955, começou a mudança dos órgãos municipais (Prefeitura e Câmara de Vereadores) para a Fazenda Brasília, local escolhido e onde hoje se encontra. Isto, realizado pelo então prefeito Oswaldo Vaz que, precariamente, mudou a sede para a localidade em 1960.  Em 1961 começaram problemas políticos que tentaram inviabilizar o projeto de mudança, quando adversários ganharam as eleições, levando, por força da política estadual, as decisões municipais para São Gabriel. Planaltina veio a firmar-se como sede municipal no local onde hoje se encontra, somente em 1967, quando Eloy Pinto de Araújo prefeito (1967 a 1970) retornou a sede para atender a decisão tomada em 1958. A partir daí, de 1971 com o governo estadual de Leolino Caiado, a nova sede planaltinense começaria a florescer.

A primeira explosão populacional da nova cidade dar-se-ia uma década depois, sob a égide do governo de Irapuã Costa Júnior em 1976/77, tendo como prefeitos Benedito Monteiro Guimarães (Lico Monteiro) e Lenir de Sousa e Silva. O vice, Lenir, substituiu ao titular a partir de 1978.

O Loteamento Oficial  fora criado em 1960 com 21.000 (vinte e um mil) lotes urbanos, que vendidos a partir de 1976, foram ocupados desordenadamente sem oferecer nenhuma infraestrutura inicialmente, senão o traçado das ruas e avenidas. Já foram criados, desde então,  mais de duas dezenas de loteamentos suburbanos, somando mais de 25.000 (vinte e cinco) mil lotes urbanos, negociados nas mesmas condições dos lotes do Loteamento Oficial de Planaltina.

 ENCHENTE ALAGA MUITAS CASAS

Segundo o vereador Denis Franco (PSC), residente na cidade e um dos moradores atingidos pelo grande volume de água das últimas chuvas, mais de 200 (duzentas) casas foram diretamente afetadas pelas enxurradas e pelo alagadiço formado no centro das Quadras 01 e 07 do Setor Norte, bairro mais populoso da sede planaltinense e ainda na Quadra 12 Oeste.

O Serviço Social

Segundo informações do vereador Genival Fagundes (PMB), cidadão nativo e também envolvido nos problemas da localidade, o Serviço Social da Prefeitura apontou 30 (trinta) famílias precisando de apoio por terem perdido todos seus pertences com as chuvas torrenciais que caíram no dia 2 de março (sábado), alagando extensa área do centro da cidade e atingindo, especialmente, os centros daquelas quadras do Setor Norte e do Setor Oeste.

A prefeitura

Os prefeitos que passaram pelo trabalho de construção da nova sede planaltinense, alguns não tiveram como prever o bum populacional e outros foram pegos sem o devido ordenamento tanto financeiro quanto de planejamento, deixando, cada um que o problema das enchentes se avolumassem nas localidades mencionadas, ambas no Setor Norte, além de um alagado que, nos últimos quinze anos, vem perturbando a Quadra 12 do Setor Oeste.

O prefeito Eles Reis de Freitas, popular Reis, atual prefeito, eleito em Eleições Suplementares em 2018 e empossado no final daquele ano, já vivia no final do ano passado e início deste ano, pouco mais de um ano de administração, problemas diversos: situação deplorável do asfalto da cidade, ação do vice-prefeito e do ex-presidente da Câmara de Vereadores buscando tira-lo do cargo… Agora, em fevereiro, o Supremo Tribunal Eleitoral – STE – inocenta o prefeito afastado em 2018, Dr. Davi Lima e cria mais um problema político/administrativo para a municipalidade. O prefeito Reis continua no cargo, ainda não tendo explicação plausível para a população e agora enfrentando as intempéries das chuvas. Nesta semana, Reis deve assinar Decreto de Situação de Calamidade Pública do Município, buscando alternativa para tirar a sede planaltinense de um verdadeiro atoleiro em que está enfiada.

Deixe uma resposta