CATÁLOGO EXÓTICA: O PROJETO QUE AJUDARÁ NA PROCURA DE VIDA ALIENÍGENA

Alien holding its hand up like it's greeting you. 3D rendering. Black background.

Nos Estados Unidos, especificamente em meados da década de 1960, foi quando a ufologia começou a ganhar espaço não só na sociedade — nas manchetes sobre avistamentos dos Objetos Voadores Não Identificados (OVNIs) — como também na ciência. O Sinal Wow de 1977, estudado pelos cientistas do Instituto Search for Extraterrestrial Intelligence (SETI), foi um bom exemplo do quanto esse campo passou a se engajar para além da grande histeria social que o tópico se tornou.

Afinal de contas, eles estavam mais interessados em encontrar a verdadeira possibilidade de uma civilização fora da Terra do que os humanoides inventados pela ficção e inflamados pelo gosto popular. Sempre ficou claro que a vida alienígena, ainda que não como imaginamos, exista em algum lugar profundo do Universo, portanto a astrobiologia surgiu com o intuito de investigar semelhanças entre ambientes extremos na Terra e aqueles no espaço para procurar condições em que a vida possa evoluir.

Foi compilando um compêndio imenso e prático de termos, métodos, anomalias e outras referências relacionadas a essa busca extraterrestre que surgiu o Catálogo Exótica.

Leia também: 5 mistérios do Universo que a ciência é incapaz de explicar

A iniciativa

(Fonte: Reprodução)

O projeto faz parte do Breakthrough Listen (BL), o maior programa de pesquisa científica de todos os tempos, destinado a encontrar evidências de civilizações além da Terra.

Lançado em 2015 pelos empresários israelenses Julia e Yuri Milner, o programa vem de uma iniciativa que levará 10 anos de trabalho e custará US$ 100 milhões, buscando atingir uma escala de estudo sem precedentes.

(Fonte: Shutterstock)

O BL faz um levantamento de mais de 1 milhão de estrelas próximas da Terra, varrendo o centro da galáxia e todo o plano galáctico por meio de instrumentos 50 vezes mais sensíveis que os telescópios existentes dedicados à busca por inteligência extraterrestre, cujas pesquisas de rádio cobrem 10 vezes mais do céu do que os programas anteriores, além de serem 100 vezes mais rápidos.

O programa se propõe a uma pesquisa profunda de todas as transmissões ópticas a laser, 1000 vezes mais eficazes em encontrar sinais de laser do que as pesquisas comuns de luz visível. O BL combina esses instrumentos com softwares inovadores e técnicas de análise de dados. Ou seja, é um empreendimento que visa arrancar resultados valiosos que nunca foram alcançados por ninguém. Quem sabe o que eles podem encontrar?

A grande esperança cósmica

(Fonte: Futurism/Reprodução)

Em um dos braços do programa está o “Catálogo Exótica”, um documento de 122 páginas, gratuito e disponível online ao público sob o nome One of Everything: The Breakthrough Listen Exotica Catalog, contendo 700 objetos celestes potencialmente habitados por vida extraterrestre e uma quantidade imensa de dados relacionados à localização deles.

O autor do Catálogo Exótica, Dr. Brian Lacki, salientou que esses “objetos habitáveis” podem conter indicadores de tecnologia desenvolvida por alienígenas que seriam fundamentais para o estudo dos seres humanos.

Os objetos podem ser compostos de cometas à galáxias, contendo as denominadas “assinaturas tecnológicas”: qualquer propriedade ou efeito mensurável que forneça evidência científica de tecnologia passada ou presente. Os objetos podem conter as tecnoassinaturas, descobertas ao longo dos anos graças aos projetos científicos, como a busca por inteligência extraterrestre.

Para o Dr. Lacki, muitas descobertas importantes podem ter sido perdidas ao longo do tempo porque ninguém estava procurando no lugar certo. Um exemplo disso seria a descoberta dos exoplanetas antes da década de 1990. Se os astrônomos estivessem procurando por sistemas estelares diferentes dos nossos, eles poderiam ter chegado à conclusão muito mais cedo.

Portanto, o “Catálogo Exótica” é uma esperança de que qualquer programa possa usá-lo como um “cruzeiro de extorsão” ao redor do Universo, como disse Lacki em um comunicado à imprensa. É esperança de que o projeto

Mundo Curioso

Deixe uma resposta