MAÇONARIA ESTÁ CONCLUINDO TEMPLO

Oswaldo Vaz Filho, Professor Dimas, o atual presidente da Loja, e Carlos Roberto Aguiar são líderes da maçonaria planaltinense.
Imagens da parte interna do templo em fase final de pintura.

A Loja Maçônica União e Harmonia Planaltinense, foi fundada a 30 de março de 2006, quando maçons de toda região, especialmente, vindos de Formosa e de Brasília viabilizaram o surgimento da instituição que vinha sendo protelada havia mais de vinte anos.

O primeiro presidente da União e Harmonia Planaltinense, que tem eleições para renovação de diretoria de dois em dois anos, foi o senhor João Teixeira Madureira, o popular João Tié, (2006/2007), fazendeiro e agente político do município que ficou responsável pelo trabalho de consolidar a criação da Loja que à época, contava com doze membros da cidade e mais dez entre brasilienses e formosenses.

As reuniões deram-se durante os primeiros anos em Formosa, devido a cidade de Planaltina – Terra de criança feliz – não oferecer espaço para a transformação em salão adequado para a prática de reuniões maçônicas. A Loja formosense União e Liberdade II, uma das mais antigas da região, foi que cedeu o espeço para a realização das reuniões de sua co-irmã e praticamente filha, planaltinense.

O segundo presidente da União e Harmonia Planaltinense foi o então Professor Walterson Machado, (2007/2009) militante maçônico de longa data em Sobradinho-DF, fundador do Colégio Voo Livre em Planaltina, um dos fundadores da Loja planaltinense. Consolidou a instituição e deu-lhe a formação inicial de trabalhadora, organizada e próspera.

O terceiro presidente da Loja foi Edivaldo Vieira de Sousa,  o Edivaldo da Feira, (2009/2011) policial rodoviário federal que, formosense de origem e com tradição de família na militância maçônica, iria, como o fez,  buscar materializar o sonho de independência da União e Harmonia que, nestas alturas já ia para quatro anos dependendo dos préstimos da Loja de Formosa. Edivaldo iniciou a negociação para adquirir os terrenos que hoje abriga o templo da Loja.

Walterson Machado retornou à presidência (2011/2013) para concretizar a compra do terrenos da Loja, assim como recebeu doações de maçons e não maçons para alcançar a totalidade da área que hoje ocupa o início da construção de um complexo maçônica. Murou toda a área e foi reeleito para um segundo mandato, (2013/2015), lançou a pedra fundamental da obra,  iniciando de vez a construção do primeiro prédio do sonhado complexo maçônico, o templo da Loja União e Harmonia Planaltinense.

O quarto presidente da instituição foi o comerciante Nivaldo Moreira Alves, (2017/2017) o primeiro maçom planaltinense de origem, isso porque era o primeiro iniciado pela loja que chegava à condição de líder da instituição, já que os demais eram maçons vindos de outras Lojas.

Coube a Nivaldo o trabalho de continuar a construção do templo e lutar para que, depois de, já passados doze anos, conseguir deixar os favores da Loja União e Liberdade II e, vir a reunir com os maçons, a esta altura cerca de vinte, em Planaltina.- Terra de criança feliz.

Reeleito para o segundo mandato de 2017 a 2019 trabalhou exaustivamente com cerca de vinte maçons frequentes na Loja, alcançando a totalidade da construção do templo, sem o acabamento para inauguração definitiva e conseguindo, finalmente, mesmo em construção, trazer os maçons planaltinenses para se reunirem em sua própria casa.

O quinto líder da União e Harmonia, o presidente de hoje, é o Professor Antônio Dimas Santos Oliveira, o popular Dimas (2019/2021). Também um dos iniciados pela própria Loja e que está empreendendo o último esforço para conclusão do templo, que deverá ser inaugurado até março deste ano, quando a Loja completará quatorze anos de existência.

“O trabalho tem sido árduo para alcançar a conclusão da obra, o que já está quase acontecendo. Estamos concluindo o segundo maior espaço maçônico da região, incluindo Sobradinho e Planaltina-DF. Só nossa Loja-Mãe, a União e Liberdade II em Formosa, terá espaço maior do que o da União e Harmonia Planaltinense. Meus irmãos maçons e eu estamos orgulhosos do nível que alcançamos. O templo não é nosso, é de Planaltina e da Maçonaria Universal e esperamos poder entrega-lo até o final de março”, disse Dimas a nossa reportagem.

 

Deixe uma resposta