pONTO DE vISTA – A INJUSTIÇA CONTRA PLANALTINA

A sociedade planaltinense, certamente, tendo uma grande maioria que veio de outras bandas do país, nunca vivenciou tamanho descontrole do Poder Público, especialmente do Executivo e do Legislativo locais, poderes mais próximos do povo e responsáveis pela condução da rés pública, assim como do TSE – Tribunal Superior Eleitoral que, de longe colaborou para a criação de um situação de desconforto na municipalidade.

No Executivo, que teve significativo auxílio do Poder Judiciário Nacional através do TSE – Tribunal Superior Eleitoral, chegamos à marca de sete nomes (Dr. Davi, Pastor André, Hernandes, Reis, João Neto, Reis e Dr. Davi), administrando nos últimos três anos e dois meses, podendo o município ser inscrito no Livro dos Recordes, o famoso Guines Book como o município recorde do mundo em número de prefeitos, ou seja, os últimos trinta e oito meses de administração foram feitos por sete nomes, o que representa: cinco meses e alguns dias (5,4) de administração para cada um. Um disparate.

E nosso TSE deve dormir tranquilo, afinal, fez Justiça depois de um ano e oito meses, devolvendo Dr. Davi para o seu posto, onde ele encontra um outro governo funcionando. Analisando: penaliza o município, sacrifica uma administração que, certamente, iria prestar um melhor trabalho no decorrer deste ano e sacrifica Dr. Davi que, pelo exíguo tempo, não terá como organizar um governo competente e seu. Bela inJustiça para com Planaltina!

Como aprendemos na nossa nascente democracia: “Justiça se obedece e depois, se for o caso, contesta.”  nossos dirigentes têm recebido agentes do Ministério Público a toda hora, nem sempre com as razões adequadas, levando à desmoralização a vários agentes públicos do município.

O que a sociedade espera é que os políticos se unam mais, aceitem o gesto de Dr. Davi e Reis como um chamamento para a união da cidade na direção de salvar Planaltina da triste realidade que alcançou: muitos prefeitos e nada de benefício para a cidade.

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta